30 de junho de 2010

Cães maravilhosos esperam por adoção.

Vejam quantos peludões fofos estão à espera de um lar!

Olhem todas essas carinhas e se apaixone por uma delas... eles precisam de uma família de verdade... pra toda vida!!

Cada um tem o contato da protetora responsável, basta ligar ou mandar um e-mail.

E ajude divulgando essas crianças para os amigos.


O Billy já apareceu por aqui antes e continua à espera de uma boa família.

O Julinho já foi adotado e está feliz da vida com sua nova família, mas ainda há muitos à espera dessa sorte chegar...

Bjs
Jana

Gatinho Brad para adoção.

Gente, um lindo gatinho branco para adoção.

Vamos ajudá-lo a conseguir um lar amoroso e seguro?

Divulguem para os amigos e abra seu coração pra fofo...

bjs e brigada,

Jana


"Amigos...

Mais um gatinho no pedaço. Resgatei esse menino na rotatória de uma rodovia... estava super debilitado, fraquinho, fraquinho.
Agora vejam só que charme...batizado de Brad... é lindo, fofo, bonzinho e extremamente carinhoso. Já está bem, foi vermifugado, vacinado e esterilizado, e espera por um lar especial.

Somente será doado para apartamento com tela de proteção, pois é fujão, e mediante assinatura de Termo de Adoção e Guarda Responsável.

Por favor, divulguem para suas listas, sites, blogs, orkuts, facebook, twitter, enfim...

bjs

Shirley e Brad


contato: shymac.mac@terra.com.br "

Vira-latas são os cães preferidos dos paulistanos.

Que legal essa matéria que saiu na uol... tômara mesmo que seja verdade e que não seja passageiro!

Jana
Carlota Joaquina, 1, moradora do Morumbi, foi adotada em uma feira de animais

Vira-latas são os cães preferidos dos paulistanos

Eles não são puros e têm histórico de passagem pelas ruas. Seu nome é associado ao lixo e aparece no dicionário como sinônimo de "sem classe, sem vergonha". Ainda assim, e talvez com a ajuda de uma abanadinha de rabo, os vira-latas conseguiram driblar a má fama: estão na moda e fazem companhia a milhares de moradores da cidade, de todas as classes sociais.

Segundo uma pesquisa realizada pelo Datafolha, é esse o cão mais comum na casa das famílias paulistanas. O levantamento entrevistou 613 pessoas, numa amostra representativa da população de São Paulo com 16 anos ou mais.

Por ser fruto de uma mistura de raças, o vira-lata tem características muito mais variadas do que qualquer cachorro puro. Mas, na aparência física, é possível identificar um perfil médio: a maioria pesa de 10 kg a 20 kg, tem pelo curto e cor escura --é o pretinho básico, como chamam alguns protetores de animais.

Para o zootecnista e especialista em comportamento animal Alexandre Rossi, autor do livro "Adestramento Inteligente" (ed. Saraiva; 240 págs., R$ 31,40, 2009), o porte médio ajuda a sobreviver nas ruas. "Ele não é tão grande a ponto de demandar muito alimento nem tão pequeno a ponto de ser indefeso em brigas e perder na competição com outros machos para cruzar", explica.

O comportamento também muda substancialmente de um vira-lata para o outro, mas aqueles que passaram pela rua costumam ser mais espertos do que os criados em casas ou apartamentos. "O animal que passou pela rua teve que se virar, ou não estaria vivo", diz o veterinário Wilson Grassi, diretor da Anclivepa (Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais) e gerente-executivo do Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal.

Segundo Alexandre Rossi, a mistura de raças costuma "produzir" um cão com competências mais equilibradas. Enquanto um animal puro pode ter mais aptidão para guarda e outro para companhia, por exemplo, o vira-lata teria uma média entre as habilidades --o que também o torna menos previsível, uma desvantagem na opinião de algumas pessoas.

A genética explica também por que os vira-latas, conhecidos como SRD (sem raça definida), são mais resistentes a doenças. Existem problemas de saúde determinados por genes recessivos, que devem estar presentes em dupla para que as complicações se manifestem.

Enquanto os animais mais puros têm mais tendência de portar os dois genes, estes acabam sendo "diluídos" com a mistura de raças.

Um problema que vem aumentando em cães de raça nos últimos cinco anos, por exemplo, é a alergia, segundo Roberto Monteleone, veterinário de pequenos animais há mais de 30 anos. "Há criadores que cruzam animais aparentados. Muitos nascem com imunodeficiência e pegam infecções com facilidade. No caso do vira-lata, há uma chance muito menor de que isso aconteça."

Outra explicação é a própria seleção natural. Quando o cachorro é de raça, acaba procriando mesmo não sendo muito saudável, pois recebe mais cuidados. Já na rua só procriam os vira-latas mais fortes, que sobrevivem às condições adversas e, por isso, geram filhotes mais resistentes.

Isso não quer dizer, no entanto, que eles precisem de menos cuidados do que um cão de raça. "Tem que vacinar, levar ao veterinário, dar boa alimentação. É um cão como outro qualquer", alerta Cida Lellis, presidente da ONG Clube dos Vira-Latas.

São Paulo

Segundo o CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) de São Paulo, há 2,5 milhões de cachorros domiciliados na cidade. O número vem crescendo, em média, 6% ao ano, e estima-se que, em 2020, atinja 4,5 milhões. Os dados são de uma pesquisa que vai virar livro, feita pela USP de 2007 a 2009 em parceria com o CCZ e com regionais de saúde. Foram visitados quase 12 mil domicílios.

O professor de veterinária Ricardo Dias, autor do estudo, diz que não surpreende saber que o SRD é o cão mais comum. "Vimos que só 26% dos cachorros foram comprados. O restante foi adotado", diz.

A adoção dos sem raça, aliás, está virando moda entre paulistanos de classes mais altas, e agora eles dividem espaço com primos "ricos" como poodles, lhasas e labradores. "Os animais de rua não ficam mais só na periferia. Temos visto muito mais vira-latas nos parques, junto com os cães de raça", afirma a veterinária Cíntia Tonelli, fundadora da ONG Vira-Lata É Dez.

Em 2003, quando foi criada, a entidade conseguia doar quatro cães por mês --hoje são cerca de 16. O problema é que eles também têm tido mais animais para recolher.

Desde 2008, não é mais permitido, no Estado de São Paulo, sacrificar animais apenas por estarem na rua -a eutanásia só pode ser feita em casos extremos, de doenças incuráveis ou infectocontagiosas. Os animais recolhidos pelo CCZ ficam disponíveis para adoção --são doados, em média, 50 por mês.

A ONG Clube dos Vira-Latas é outra que aumentou as doações: eram cerca de dez por mês há cinco anos e agora são entre 40 e 50. "As pessoas estão acordando para o problema dos animais abandonados na cidade e vendo que o bicho não precisa ser comprado e ter raça", diz Cida Lellis.

Mas os adotantes ainda procuram perfis específicos: filhotes, de porte pequeno, peludinhos e que não sejam pretos, justo o contrário da maioria dos cães que estão nos abrigos. Casais jovens, com ou sem filhos, são os adotantes mais comuns na cidade de São Paulo.


Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/saopaulo/758026-vira-latas-sao-os-caes-preferidos-dos-paulistanos.shtml

23 de junho de 2010

Notícias e mais pedido de ajuda para os cãezinhos órfãos de dono (Adotados!)

Gente, volto para pedir ajuda para esses 3 cães que estão órfãos de dono...

Relembrando o caso, o dono deles, o Sr. Jaime, faleceu no dia 02/05 e os cãezinhos ainda se encontram na casa em que o sr. Jaime vivia, porém não há ninguém morando atualmente, somente uma vizinha que aparece conforme suas possibilidades para limpar e dar comida.

Veja aqui na postagem anterior.


A ex-esposa do Sr. Jaime esteve na casa, mas ficou mais por conta da casa (tratar assuntos legais e limpeza da casa).
Os 03 animais que ela irá ficar (não aparecem nas fotos), ainda não foram levados para a casa dela (em Mongaguá), continuam junto com os outros, talvez ela volte num dos próximos finais de semana para tentar levá-los.

Quanto aos outros 03 animais que estão para adoção (a Estela, Bóris e Dick: os de cor preta com pêlo liso) continuam na casa e, pelo menos, vão ficar enquanto ela não vier buscar os outros...

E por isso, o apelo para as adoções da Estela, Bóris e Dick, realmente tem urgência.

O Dick é mais velho que o Bóris e a Estela, é o de cor preta e pêlo liso que tem uma parte branca na frente.
O Bóris e a Estela, devem ter mais ou menos 01 ano e pouco, quase 02 anos, são irmãozinhos, são totalmente de cor preta e pêlo liso, são muito brincalhões e amorosos (bem crianções, principalmente o Bóris).

A Estela está com um problema no pêlo (caiu vários pêlos no seu dorso), está um pouco peladinha, mas está em tratamento, uma das veterinárias, a Dra. Eliane, aplicou um remédio no dorso dela (Revolution 12%), ela está tomando 01 comprimido de levedura de cerveja por dia, e um comprimido do antibiótico Amoxilina 500 mg (pelo menos 01 vez ao dia) e estamos passando um spray onde está sem pêlo, para evitar pousar moscas na pele dela, mas ela está com boa saúde, bem espertinha.
A pessoa que a adotá-la bastará continuar com o tratamento e que o mesmo pode ser continuado com a orientação das veterinárias.
A Estela é castrada, o Bóris e o Dick não. Os três estão com as vacinações em dia (raiva e V8).

Esses pretinhos órfãos precisam de "lares doce lar" o mais rápido possível, e que sejam pessoas que realmente gostem de animais, responsáveis, que irão tratá-los com amor, carinho, atenção, alimentação, vacinações em dia, tratamento veterinário quando houver necessidade e que sejam adoções com o coração e responsabilidade, para que não ocorra de futuramente os abandonarem.

Eles estão no município de "Taboão da Serra" (final da Francisco Morato, começo da Rodovia Régis Bittencourt, um município antes do Embu das Artes).
Para adotar ou obter mais informações sobre eles, segue os contatos:
Falar com Vera:
Fone comercial: 11-5029-1805
Fone residencial: 11-4701-3170
Celular: 11-7194-3337 (No celular é meio difícil falar comigo, pois no meu trabalho é proibido o uso de celular no horário de expediente, portanto eu deixo desligado).
Ou comigo através do e-mail: jvidal.rocha@gmail.com

Muito obrigada e conto com a ajuda de voces.
Se voce não pode adotar, ajude repassando aos amigos e parentes.
Quem puder oferecer lar temporário para esses 3 pretinhos até conseguirmos bons adotantes também é de grande ajuda.
Bjs
Jana

A síndrome dos colecionadores de animais.

Matérias interessantes e que vale muito a pena ler.

Infelizmente é uma coisa comum e muito triste também, pessoas que pensam que estão fazendo o bem e na verdade só estão causando sofrimento a muitos animais.

Bj

Jana


A síndrome dos colecionadores de animais

(O doutor em psicologia Randy Frost, do Smith College, de Massachusetts, nos Estados Unidos, explica o que é a síndrome dos colecionadores de animais).

Colecionar animais (animal hoarding)

É um comportamento humano patológico, que envolve a necessidade compulsiva de ter e controlar animais, associada à incapacidade de reconhecer o sofrimento deles.
Implica o crime de maus tratos aos animais e envolve sérias questões de saúde pública.

ÉPOCA - Como um colecionador de animais patológico se diferencia de um cachorreiro normal?
Randy Frost- Observamos se os animais estão recebendo tratamento adequado. Há pessoas que possuem vários animais e são capazes de cuidar bem deles, mas em um dado momento alguma coisa acontece e surge um desequilíbrio. Normalmente é algum tipo de perda, seja financeira ou de alguma pessoa querida. A partir daí essas pessoas não conseguem mais cuidar dos animais como cuidavam antes e eles passam a sofrer. Elas não percebem que seu comportamento mudou e não tomam uma providência para voltar ao normal.

ÉPOCA - Então tudo começa a dar errado a partir de uma situação nova?
Frost- Sim, em alguns casos. Esse é um dos perfis de colecionadores de animais. Uma das características dessa síndrome é a ligação forte que essas pessoas sentem com os animais. Muita gente que cria bichos de estimação em casa se sente ligada afetivamente com eles, mas nos colecionadores essa ligação é tão próxima que eles não conseguem deixar o animal ir embora, mesmo quando está claro que ele ficaria melhor em outro lugar. Muitas vezes gastam muito dinheiro e muito tempo por causa disso. A situação até pode seguir sob controle durante algum tempo. O problema é quando, por alguma questão financeira, familiar ou de saúde, a pessoa não tem mais condições de cuidar dos bichos, mas já não consegue se desapegar deles e procurar um novo cuidador

ÉPOCA - O que pode ser feito para ajudar essas pessoas e esses animais?
Frost - Nós não sabemos qual é a melhor estratégia. Conheço pessoas que foram colecionadoras de animais e hoje estão livres do problema. Elas contam que, enquanto estavam agindo como colecionadoras, simplesmente não percebiam o que estava acontecendo. Não enxergavam que podiam viver sem tantos animais, e que aqueles animais também conseguiriam viver muito bem sem eles. Depois que eles ficaram sem os animais, adquiriram uma nova perspectiva daquela situação. [Nos Estados Unidos esses casos são resolvidos judicialmente: os animais são recolhidos e os colecionadores são proibidos de criar animais novamente] Finalmente perceberam que na verdade estavam prejudicando seus bichos. O problema é que os abrigos costumam não ser espaçosos o bastante para acomodar tantos. Então algumas vezes eles são sacrificados.

ÉPOCA - O medo dos colecionadores é justamente esse, não?
Frost - Sim, eles sentem que têm a missão de evitar a morte dos animais. Eles seguem o raciocínio de que um animal doente ou tratado inadequadamente é melhor do que um animal morto. O que me parece é que a melhor estratégia para começar a recuperação dos colecionadores é criar um ambiente estável e evitar que eles colecionem mais animais. É muito difícil conseguir que as pessoas se desfaçam de seus bichos.

ÉPOCA - E dá pra prevenir esse comportamento?
Frost - O que acontece aqui - e acredito que no Brasil aconteça a mesma coisa - é que essas pessoas são facilmente identificadas em suas comunidades como "a mulher dos gatos", ou algo assim. E aí os vizinhos que não querem mais seus gatos vão jogá-los dentro da casa dessa mulher. E isso contribui para agravar o problema. E o que essa mulher vai fazer? Ela não será capaz de despejá-lo na rua, pois tem medo de que o gato não sobreviva.

ÉPOCA - Há como parar esse ciclo vicioso?
Frost - Sim, quando há clínicas veterinárias e abrigos que os colecionadores freqüentem. Os profissionais desses lugares podem ficar de olho nos colecionadores e puxá-los para uma conversa. Eles podem falar sobre o estado de saúde dos animais e oferecer algum tipo de ajuda.

ÉPOCA - Aqui a internet tem sido uma aliada de cachorreiros e ONGs na meta de aumentar as adoções. Você vê essas redes positivamente?
Frost - Acho que a internet é um ótimo recurso para resolver esse tipo de problema. Só que ela é ao mesmo tempo um lugar onde os problemas podem ficar piores, pois os colecionadores podem procurar ainda mais animais na internet.


Características do comportamento de um colecionador de animais

- Incapaz de colocar um limite no número de animais abrigados
- Mantém um número anormal de animais em casa
- Incapaz de dar aos animais o mínimo de condições de vida: alimento adequado, água, cuidados veterinários, e higienização do animal e do ambiente (as fezes e a urina se acumulam)
- Inábil para admitir a própria incapacidade de cuidar minimamente dos animais e perceber o impacto negativo em sua própria saúde e bem-estar, na das pessoas próximas e dos animais abrigados
- Incapaz de agir sobre a deterioração das condições dos animais ou do ambiente
- Incapaz de doar um animal que seja (há casos em que nem os animais mortos são retirados do local)
- Evita situações que poderão expô-lo, como, p.ex., receber amigos em casa



Lidando com o colecionador
Uma das formas mais efetivas de lidar com situações de Hoarding é montar uma força-tarefa interdisciplinar, envolvendo representantes de todas áreas envolvidas. Nos Estados Unidos, muitas comunidades montaram equipes com pessoas da área da saúde pública, serviço social, fiscalização do código de posturas e grupos de proteção aos animais, para um esforço conjunto na condução destes casos.

Fonte: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/1,,EDG75402-5856,00.html

A Síndrome de Noé

Apesar do abandono não acabar nunca, temos que avaliar os nossos limites: cada um tem o seu, sem exceção.
Para uns o limite é ter 2, para outros, o limite é ter 20 ou 30 aniImais. Cada caso é um caso.
Mas colecionar animais é uma doença constatada.
É uma variação da Síndrome de Diógenes,chamada Síndrome de Noé
(veja quem fala sobre isso: http://pt.wikilingue.com/es/S%C3%ADndrome_de_Di%C3%B3genes )

Lhasa precisa de muito amor e carinho.

Gente, outro cãozinho que merece muito amor, carinho e paciência pra poder ter uma vida boa com uma família de verdade.

Essa coisinha fofa só precisa de muito beijo e amor...

bjs

Jana



"Lhasa Apso, macho, vacinado, castrado, aproximadamente 2 anos.

Foi resgatado das ruas. Foi adotado por 3 vezes, e as 3 devolvido, sua adoção é especial por conta de seu temperamento difícil, não é um cão agressivo, porém não convive muito bem com outros cães, e nem com crianças.

Contato Luciana (11) 9555-7212 ou luciana@caosolidario.com "

Procura-se Malhado.

Pessoal da região de Guarulhos, por favor, fiquem de olho nesse lindo cachorrinho que está desaparecido há mais de uma semana.

Obrigada e avisem os amigos que trabalham e moram nessa região.

Jana

"Poodle branco com orelhas pretas, atende pelo nome de Malhado, sumiu no dia 15/06/2010, na Vila Tijuco próximo ao 15. Batalhâo da Policia Militar em Guarulhos.

Qualquer informação, entrar em contato com Fernanda - 11-2937-7137 e email: fpinheirosantiago@hotmail.com "

Feira de Adoção - 26/06

Gente, próximo sábado acontece uma Feira de Adoção de Animais no Brooklyn.

Divulgue para os amigos, compareça e adote um amiguinho carente pra vida toda!

obrigada

Jana

22 de junho de 2010

Encontrei o seu cão.

Esse texto, de autoria desconhecida, veio parar na minha caixa de e-mails e eu me emocionei muito ao lê-lo... é profundamente triste e real.

Leiam também.

Jana


"Encontrei o seu cão" - Autor Desconhecido

Hoje encontrei seu cão. Não, ele não foi adotado por ninguém. Aqui por perto, a maioria das pessoas já têm vários cães; aqueles que não têm nenhum não querem um cão. Eu sei que você esperava que ele encontrasse um bom lar quando o deixou aqui, mas ele não encontrou. Quando o vi pela primeira vez, ele estava bem longe da casa mais próxima e estava sozinho, com sede, magro e mancava por causa de um machucado na pata.

Eu queria tanto ser você naquele momento em que parei na frente dele. Para ver sua cauda abanando e seus olhos brilhando ao pular nos seus braços, pois ele sabia que você o encontraria, sabia que você não esqueceria dele. Para ver o perdão em seus olhos pelo sofrimento e pela dor por que ele havia passado em sua jornada sem fim à sua procura… Mas eu não era você. E, apesar das minhas tentativas de convencê-lo a se aproximar, seus olhos viam um estranho. Ele não confiava em mim. Ele não se aproximava.

Ele virou as costas e seguiu seu caminho, pois tinha certeza de que esse caminho o levaria a você. Ele não entende que você não está procurando por ele. Ele só sabe que você não está lá, sabe apenas que precisa te encontrar. Isso é mais importante do que comida, água ou o estranho que pode lhe dar essas coisas.

Percebi que seria inútil tentar persuadi-lo ou segui-lo. Eu nem sei seu nome. Fui para casa, enchi um balde d’ água e uma vasilha de comida e voltei para o lugar onde o havia encontrado. Não havia nem sinal dele, mas deixei a água e a comida debaixo da árvore onde ele havia buscado abrigo do sol e um pouco de descanso. Veja bem, ele não é um cão selvagem. Ao domesticá-lo, você tirou dele o instinto de sobrevivência nas ruas. Ele só sabe que precisa caminhar o dia todo. Ele não sabe que o sol e o calor podem custar-lhe a vida. Ele só sabe que precisa encontrá-lo.


Aguardei na esperança de que voltasse para buscar abrigo sob a árvore, na esperança de que a água e a comida que havia trazido fizessem com que confiasse em mim e eu pudesse levá-lo para casa, cuidar do machucado da pata, dar-lhe um canto fresco para se deitar e ajudá-lo a entender que agora você não faria mais parte de sua vida. Ele não voltou aquela manhã e, quando a noite caiu, a água e a comida permaneciam intocadas. Fiquei preocupada. Você deve saber que poucas pessoas tentariam ajudar seu cão. Algumas o enxotariam, outras chamariam a carrocinha, que lhe daria o destino do qual você achou que o estava salvando - depois de dias de sofrimento sem água ou comida.

Voltei ao local antes do anoitecer. Não o encontrei. Na manhã seguinte, voltei e vi que a água e a comida permaneciam intactas. Ah, se você estivesse aqui para chamar seu nome! Sua voz é tão familiar para ele. Comecei a ir na direção que ele havia tomado ontem, sem muita esperança de encontrá-lo. Ele estava tão desesperado para te encontrar, que seria capaz de caminhar muitos quilômetros em 24 horas.

Algumas horas mais tarde, a uma boa distância do local onde eu o havia visto pela primeira vez, finalmente encontrei seu cão. A sede não o atormentava mais. Sua fome havia desaparecido e suas dores haviam passado. O machucado da pata não o incomodava mais. Agora seu cão está livre de todo esse sofrimento. Seu cão morreu.

Ajoelhei-me ao lado dele e amaldiçoei você por não estar aqui ontem para que eu pudesse ver o brilho, por um instante sequer, naqueles olhos vazios. Rezei, pedindo que sua jornada o tenha levado àquele lugar que acho que você esperava que ele encontrasse. Se você soubesse por quanta coisa ele passou para chegar lá… E eu sofro, pois sei que, se ele acordasse agora, e se eu fosse você, seus olhos brilhariam ao reconhecê-lo, ele abanaria sua cauda, perdoando-o por tê-lo abandonado...

Pepe, um lindo cocker para adoção (Adotado!)

Gente, esse é o Pepe e ele precisa da nossa ajuda para conseguir um bom lar.

Ele é lindo e merece uma chance para ser feliz.

Por favor, repassem para os amigos.

Obrigada e bjs

Jana


"Esse meninão é o Pepe, um lindo e legítimo cocker, de aproximadamente 1 aninho, estava vagando pelo centro de Ribeirão Pires.
Ele é super alegre, hiper ativo e tem muita energia para correr e brincar, mas como todo bom cocker tem o temperamento difícil, pois é ciumento e possessivo, mas adora carinho e é super carente.

Precisa ser adotado por uma família sem filhos menores, ou seja, apenas adolescentes e/ou adultos e também tem que ser filho único... ele gosta de exclusividade.

Já está castrado, vacinado e vermifugado.

Será que vc vai resistir a esse olhar?!

Para adotá-lo é só entrar em contato com a Tia Malu - (11) 9219.5508 ou por e-mail com
lucymsouza@terra.com.br ou moreiraovet@hotmail.com

Por favor, vamos ajudar esse peludo a encontrar um lar."

Desaparecida há mais de 1 ano e meio.

Que triste essa história... por onde anda essa cachorrinha?

Se voce souber de alguma coisa... tiver alguma pista sobre o paradeiro dessa menina, por favor, entre em contato com a Bruna.

Muito obrigada.

Jana
"Amigos,

Eu sei que parece loucura mandar um e-mail novamente... mas algo meu diz que ela está viva, perdida em algum lugar de São Paulo.

Ela morava na rua da minha mãe, foi castrada, vacinada, vermifugada. Apenas o que faltava era um lar... Mas, infelizmente a sorte não veio.

Ela vivia muito bem na rua, andava sempre com as crianças, não ia para longe e sempre defendia os moradores da rua....

Algumas pessoas dizem que foi um enfeliz que a levou embora para bem longe daqui, desseram que a colocaram dentro de um caminhão amarrada e jogada longe daqui.

Ela era super boazinha, mansinha...

Por favor, peço humildimente que encaminhe esse e-mail para as pessoas, quem sabe a minha pequena não esteja com alguém...

Agradeço a todos pela ajuda.

E-mail para qualquer informação:
bruna_bueno1@hotmail.com

Bruna"

Xuxa para adoção.

Ai gente... olha essa Xuxinha que coisa meiga...

A Deborah me pediu ajuda na divulgação para que essa linda menina encontre uma boa família.

Por favor, abra seu coração para adotar essa pequenina...

Se voce não pode adotar, repasse pros amigos até que ela tenha uma família boa e carinhosa!

Maiores informações com Deborah no telefone: 11-8510-0864 ou e-mail: deborah.pinho@bcb.gov.br

bjs e brigada.

Jana

16 de junho de 2010

Gatinhos lindos para adoção.

A Gabriela encontrou esses 3 irmãozinhos abandonados na páscoa. Na época eram muuuuito bebezinhos, tinham aproximadamente uns 15 dias e não sobreviveriam sozinhos se ela não tivesse aparecido...


Ela os levou para casa e tem cuidado de todos com todo amor e carinho, porém ela já tem outros cães e gatos e não poderá ficar com mais essa turminha, então, ela me pediu ajuda para divulgá-los e para conseguir boas famílias que os adote e dê todo amor, carinho e proteção.


Agora eles estão com 4 meses e já tomaram a 1a. dose da vacina e foram vermifugados. A castração será providenciada nos próximos dias e aí já estarão prontos para ir para seus novos lares.

São 2 meninas fofas, uma rajadinha de cinza (sialata) com lindos olhos azuis e uma escaminha super fofa! O pretinho é machinho e é um charme também!!


Eles estão acostumados e convivem muito bem com cães e gatos.

Se voce procura um gatinho pra fazer parte da família, para amar e cuidar com todo o carinho do mundo, por favor, olhe para essas carinhas lindas e se apaixone de vez!!

Para adotar me escreva: jvidal.rocha@gmail.com ou ligue para: 11-8652-9512 ou para 11-9360-5756 e fale com a Gabriela.


Se voce não pode adotar, por favor, repasse essa postagem para os amigos e parentes que gostam de animais e vamos ajudar esses 3 lindos peludinhos a conseguirem lares amorosos!


Muito obrigada e bjs.

Jana

Gabi, Kin e Milly para adoção (Adotados!)

Ai que coisinhas mais cuti cuti...

Gabi adotada!

Kin e Milly (Adotados!)

Para adotar essas fofuras, entre em contato com a Shirley - 11-9559-4739 ou através do e-mail: shymac.mac@terra.com.br

Procura-se Skipper (Encontrado!).

Mais um cãozinho perdido. Dessa vez na região da Vila Mariana.

Por favor, fiquem de olho e vamos ajudar para que o Skipper volte logo pra casa.

Obrigada e bjs.

Jana


"O Poodle Toy desapareceu da casa da avó da menina que, por descuido, deixou o portão aberto.

Nome: Skipper
Desaparecido: 02/06/2010 por volta das 9 horas da manhã
Rua Professor Francisco de Castro - Vila Mariana próximo a Borges Lagoa.


Contatos pelo email: tatianaklauser@yahoo.com.br e telefone 11 -3624-0762 "

15 de junho de 2010

Mamãe foi espancada e colocada na rua com seus 8 bebês. (Todos adotados!)

Gente, essa doce cachorrinha foi espancada pelo próprio dono no sábado passado e colocada na rua com seus 8 bebês de 20 dias.

Com o frio que está fazendo... imaginem o que essa mamãe sentiu quando viu seus filhinhos totalmente desprotegidos numa calçada?

A pobre mãezinha já estava apanhando há dias desse monstro e ele já tinha feito outras ameaças, a cachorra, que é muito boazinha já estava ficando agressiva por causa de tanto sofrimento, mas foi só ser resgatada pela Luciane que voltou a ser doce e carinhosa...


A esposa do crápula ligou chorando pra veterinária Luciane pedindo ajuda, a Lu pediu permissão à dona da clínica em que trabalha para deixar a família ficar lá por uns dias, mas infelizmente é só por uns dias mesmo, pois a clínica não tem hotelzinho e eles estão ficando num espaço super pequeno que tem dentro do banho e tosa (vejam pelas fotos).

Bom, a mãezinha já está castrada (foi castrada no dia em que a Luciane fez a cesária dos bebês, um parto complicado e muito demorado, mas graças a Deus todos ficaram bem, os bebês ainda não podem ser doados porque são muito novinhos e estão mamando.


3 já estão reservados (2 machos e 1 fêmea) e precisamos encontrar bons lares para os outros 5 machinhos e para a mamãe.

Todos são lindos, gordinhos, saudáveis e terão castração, vermifugação e 1a. dose da vacina garantida por nós.

Precisamos de lar temporário para a mãe e os bebês. Eles não poderão ficar por muito tempo na baia apertada da clínica.
E também precisamos de bons adotantes que amem animais para adotá-los.


Muito obrigada, ajudem repassando para os amigos e escrevam para mais informações: jvidal.rocha@gmail.com

Bjs

E vamos nos unir pra ajudar essa linda família.

Jana

Procura-se Fafá (Encontrada!)

Outra cadelinha desaparecida na região do ABC, dessa vez em São Bernardo do Campo.

Por favor, fiquem de olho em mais essa peludinha e entre em contato com a família se souber de alguma informação.

bjs e brigada,

Jana
"Essa é a minha Fafá.

Acho que você pode imaginar o quanto estou triste.

Ela é super dócil, tem um pouco dificuldade para andar, porque já teve as 2 patas traseiras quebradas.

Ela é uma legítima SRD, por isso acho que não foi roubada.

Cadela de coloração cinza claro e bege.

Sumiu em 06/06/2010 nas imediações da Rua Mal. Deodoro / Centro / São Bernardo do Campo


Gratifica-se.

Contatos com Miriam pelos telefones (11) 4127 7712 / 4345 4777 ou pelo email debora.augusto@uol.com.br

Obrigada."

Procura-se Stitch.

Pessoal, por favor fiquem de olho nesse cachorrinho que está desaparecido e foi visto pela última vez em São Caetano.

Avisem os amigos e parentes, fiquem de olho e qualquer novidade, entre em contato nos telefones abaixo.

Obrigada,

Jana

"O Stitch ainda não foi encontrado pelos seus donos que estão desesperados!
Cachorro mestiço de poodle com cocker, desaparecido em 09/06/2010.

Foi visto pela última vez na rua Flórida em São Caetano do Sul, SP.


Quando foram procurá-lo na sexta-feira, um rapaz de uma oficina informou que uma mulher parou o carro(Palio escuro) na esquina das Ruas Flórida e Capiberibe, e levou o cachorrinho.

Por favor, ajudem a divulgar.

Qualquer informação, favor entrar em contato com Ariane ou Cássia nos telefones: 11-23760859 / 11- 76742554/ 11-89056830


Obrigada."

14 de junho de 2010

June à procura de um lar (Adotada!)

Linda gatinha para adoção.

Por favor, ajudem divulgando para os amigos que queiram adotar um amiguinho pra toda vida.

Bjs e obrigada.

Jana

"June foi tirada de dentro do capô de um carro na semana passada.Estava assustada e bem magrinha.

Já foi castrada e desverminada, é muito dócil, gosta de colo e faz amizade fácil com outros gatos.

Procura um lar seguro, em Santos, ABC ou São Paulo

Agradeço se puderem ajudar na divulgação :)

Patricia

Contato: cinzaeamarelo@gmail.com "

Crueldade: família leva cachorrinho de 15 anos para abrigo.

Gente, é de cortar o coração.

Como alguém pode ter coragem de levar um bichinho que foi da família por 15 anos para passar os últimos tempos da vida num abrigo?

Pessoas desse tipo me fazem sentir nojo da raça humana... é tanto egoísmo e maldade que só me resta desejar que um dia eles sejam abandonados por quem mais amam e no momento mais difícil da vida deles.

Por favor, leiam a história desse velhinho e se tiver um espacinho na sua vida, dê à ele um pouco de amor e dignidade.

Obrigada e ajudem repassando.

Jana

"Sábado os donos desse lindo e triste idosinho vieram deixa-lo no lar temporário. A ex dona disse que o pegou quando ele tinha 3 meses, quando se mudou para um apartamento deixou para a irmã dela criar. Essa irmã agora está com o marido doente, não pode mais tomar conta e o levaram para lá. Nem cogitaram adoção, apenas o colocaram lá até a morte com um saco de ração, um bebedouro, e um paninho para ele dormir.

Eu fiquei indignada com a situação e claro, comecei a cuidar dele como cuido dos meus. Providenciei uma caminha macia, cobertor, roupinha. Estou dando a mesma alimentação, enfim. Mas ele está triste demais, deprimido mesmo. Não interage, fica a maioria do tempo olhando pro nada, o resto do tempo no portão esperando seus donos ir busca-lo. Seu olhar é de pura tristeza, parece chorar.

Hoje pela manhã eu fui lá limpar, levar o papá pra eles e não o ví. Procurei já com o coração acelerado, com medo de ver o pior. Graças a DEUS o encontrei, mas numa situação de mais tristeza. Ele havia se abrigado no lixo...com aquele olhar triste, vago. É assim que ele está se sentindo... viveu 15 anos com pessoas que agora simplesmente o deixaram para viver o restinho da vida longe deles...pagam para ficar longe dele. É muita crueldade para com o sentimento desse animalzinho.

Ele precisa de um lar, viver dentro de uma casa quentinha, com alguém fazendo carinho, e mostrando pra ele que enquento houver vida, existirá amor.

Por favor!!! Se alguém tiver esse espaço dentro e fora do coração...mostre pra ele que ele não é uma vida descartável.

Fiquem com DEUS!

Obrigada,

Andrea. (11) 6774 1038 / 8048 7775 / e-mail: andrea.p.b.c@hotmail.com "

Campanha da Born Free pretende chocar e conscientizar.

Uma campanha muito interessante está sendo divulgada pela ong Born Free do Reino Unido.

Mostra imagens de animais selvagens colocadas em cenários urbanos, eles pretendem chocar e alertar para o ritmo alarmante com que a natureza e habitat selvagens são hoje destruídos.

Confira algumas das fotos abaixo e visite o site da Fundação Born Free para saber mais e conhecer outras campanhas bem legais sobre animais selvagens: http://www.bornfree.org.uk/


" Criatividade e consciencialização são palavras de ordem na nova campanha publicitária realizada pela agência WCRS, que assina Born Free “Keep wildlife in the Wild”. Qualquer um de nós tem consciência da quantidade de pessoas, que por falta de recursos ou alternativas, vivem nas ruas. A última campanha da Born Free, pega nesta ideia e coloca animais selvagens, sem lar, em cenários urbanos. A ideia é chocar e sensibilizar para o fato de existirem milhares de animais nestas circunstâncias, animais esses que não tiveram nem têm poder de escolha, pois alguém ou todos nós contribuímos para a destruição do seu Habitat Natural.
Leia toda a matéria acessando o link abaixo.

12 de junho de 2010

Feliz dia dos Namorados.

Ohhhh.... Como é lindo o amor...

Aproveite esse dia... com esse friozinho... curta muito o seu amor!

Abrece muito e beije muito!

E não se esqueça de abraçar e beijar muuuuito o seu peludinho... ele também é o amor da sua vida!

bjs

Jana

Nova lojinha no blog: Patchcoisinhas.

Gente, novidade no pedaço, a loja Patchcoisinhas!!

A Juliana, amiga e cachorreira, faz peças lindas em patchwork e decidiu criar um blog para divulgar seu trabalho (camisetas, necessaires, porta celular, porta lixo para carro, porta óculos, bolsas e muitas outras coisas fofas) e também ajudar os Peludinhos Carentes.

Tudo o que for vendido através do blog Peludinhos Carentes, ela repassará 10% para ajudar o trabalho que realizo com os animais carentes que cuido e resgato.

Bacana, né?

Então, para comprar e ajudar os animais, acesse o endereço da loja, escolha as peças e informe que voce tomou conhecimento através do blog Peludinhos Carentes.

Conheça um pouco sobre a Ju, as coisas fofas que ela faz e boas compras!!

bjs

Jana

"O blog veio de uma vontade enorme de expôr minhas coisinhas de patchwork. Comecei com aquela curiosidade, afinal nem ao menos sabia ligar uma máquina de costura! Hoje por incrível que pareça minha máquina é o que me prende rsrs!

Através de uma professora da faculdade de Direito iniciei um curso de patchwork com ela, querida Valéria, ótima professora, faz coisas maravilhosas! Daí em diante não parei mais ! Além do patch vem a paixão por cachorros tenho duas, a Belly e Babaloo meus tesouros , resolvi então criar o blog para expôr e poder ajudar os amigos peludinhos carentes!

Juliana"

Endereço da loja: http://patchcoisinhas.arteblog.com.br/

Andarilho viaja de bicicleta levando sua cadela e filhotes na garupa.

Ai que história mais linda...


"Em passagem pela rodovia Joao Baptista Cabral Renno, que liga Santa Cruz do Rio Pardo à Bauru, ambas cidades de São Paulo, a imagem de um andarilho chamou a atenção do fotógrafo Emerson Gonçalves. João Sidney Rodrigues da Silva, que não tem moradia fixa, viajava de bicicleta levando a cadela Princesa em sua garupa. A amizade entre eles motivou Gonçalves a fazer os retratos. O andarilho saiu de Santa Cruz do Rio Pardo e foi para a cidade de Pederneiras, também no Estado de São Paulo.

Dentro da cesta da garupa, Silva carregava sete filhotes de Princesa. Ele pretende doá-los somente quando tiverem idade suficiente para não dependerem da mãe. O andarilho tinha ração e disse que faz paradas frequentes na estrada para que a cadela amamente os filhotes.

"Achei muito interessante a verdadeira amizade e companheirismo das duas partes e pensei em partilhar essa história bonita com os amigos internautas", disse Gonçalves.

O internauta Emerson Gonçalves, de Santa Cruz do Rio Pardo (SP), participou do vc repórter, canal de jornalismo participativo do Terra.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/popular/noticias/0,,OI4446652-EI1140,00-vc+reporter+andarilho+viaja+com+cadela+na+bicicleta.html

Cachorrinha encontrada procura por sua família.

Quem resiste à um olhar desses? Parece suplicar por amor, carinho...
Essa fofa foi encontrada atropelada na Zona Leste, por ser castrada, acredita-se que tenha se perdido e que tenha uma família que a queira de volta.
Por favor, repasse para seus amigos e familiares para que possamos proporcionar esse reencontro...
Ou, quem sabe uma nova família se apaixone por esse olhar doce e queira adotá-la?
Tudo pode acontecer... o importante é que ela seja muito feliz!
Maiores informações e contatos abaixo.
Bjs e brigada.
Jana
"Resgatei essa cadelinha atropelada e acho que está perdida (já que é até castrada).
Preciso da ajuda de vocês na divulgação.
Espalhem por ai, reenviem este e-mail para o máximo de amigos.
Eu e essa fofolete agradecemos!

PROCURO MEU DONO!
Acho que me perdi e não lembro como volto para casa!
Pelo estado que estou, faz um tempo que estou vagando por aí.
Ganhei um lar temporário mas quero mesmo é voltar.
Sou menina, tenho aproximadamente 3 anos e sou muito meiga e quietinha.
Se você souber algo sobre mim, ligue para 11-3569.3332 ou 11-8284.2756 e fale com a Danielle.

E-mail: daniellepinigalvao@hotmail.com "

11 de junho de 2010

Linda gatinha para adoção.

Essa gatinha fofa foi adotada e devolvida :(

Está novamente à procura de uma boa família que tenha todo amor e carinho do mundo para lhe oferecer.

Ela é linda!!

Para adotar, entre em contato com a Sofia no telefone ou e-mail abaixo.

Obrigada e ajude a divulgá-la para os amigos.

Jana
"Por favor me ajudem a divulgar a bichinha de novo! Foi adotada e devolvida...acontece neh =(

Linda gatinha, 1,5 ano, castrada, vacinas em dia. Foi adotada junto com seu irmão mas, ao contrário dele, não se adaptou e foi devolvida. Gosta de ser a única gata da casa e não é muito fã de crianças, porque precisa ter seu espaço respeitado. No entanto, é perfeita para adultos e não se importa com cães (pelo menos não com os meus, que a deixam em paz).

No começo pode ser bem desconfiada e insegura, mas com um pouco de paciência e muito carinho ela se entrega e vira um anjo. Muito carinhosa e amiga. Dorme na cama com a gente a noite toda, muito fofa! Enfim, precisa de uma família permanente, não fico com ela porque não posso mesmo.

Contatos com Sofia: soso_banffy@yahoo.com.br e Cel:9492-8897 "